Menu

The Journaling of Josefsen 435

polochime15's blog

O Cansaço Das Ideologias E O Desejo de Regresso Ao Senso Comum

Como Aumentar A Memória E O Poder Do Cérebro



O presente artigo pesquisa, a começar por procura bibliográfica, correlacionar de uma forma geral, perguntas de diversas naturezas do atual assunto hospitalar brasileiro, em ligação ao paciente terminal. A prática dos Cuidados Paliativos, traz essenciais conceitos e atitudes pra auxílio de uma abordagem mais humana frente à angústia da ocorrência de terminalidade vivenciada no hospital geral.


Desde os primórdios da civilização , a morte é um tópico que por um lado fascina e por outro aterroriza a humanidade. O episódio A Competência Do Cérebro Pra Rejuvenescer é que a morte é um lugar inacessível aos que estão vivos, e a respeito ela , em tal grau doutrinas filosóficas quanto religiosas vem debruçando-se em reflexões, na tentativa de explicar, clarear, e compreender teu propósito. Cada cultura interpreta a morte de forma especial , e seus participantes tentam perpetuar interpretações, veiculadas de modos muitas, de criação em formação.


Na construção da tradição cultural, morte e nascimento representam assuntos de relevância essencial, fundamentais para a geração da identidade de cada grupo social. Os diversos tipos de rituais fúnebres apresentam , em cada cultura, representações simbólicas que intentam cooperar o recurso de elaboração do luto na perda do sujeito. As celebrações Desenvolvimento Pessoal: Otimizar Bem-Estar Todo Ano de juntar os indivíduos, no sentido de tentar uma reorganização social , abalada pela entrada da morte no caso da vida em comunidade. Quanto maior o perigo de confusão individual ou coletiva a morte retratar numa cultura, mais esforços egóicos serão intentados no sentido de afastar o encontro da morte sobre a suporte enfraquecida pela qual ela incide.


Desse modo, diferentes mecanismos de defesa do ego podem ser utilizados pra neutralizar, ou ao menos minimizar ansiedades e angústias que ponham em perigo a homeostase interna do coletivo ou do indivíduo. De acordo com Kovács (1992), a consciência da própria morte é fator determinante para a constituição dos seres humanos, sendo que esses são influenciados por essa consciência direta.


A morte se faz presente no cotidiano, é concreta, e inexorável. Mas, o homem assim como é constituído por uma subjetividade que procura a imortalidade, sendo a morte encarada como a maior inimiga que tem que ser combatida. A finitude representa uma variante importante pela experiência humana. Contudo, a forma como é representada é relativa, visto que as relações do homem se alteram na maneira como ela o atinge, dado que as inúmeras representações de morte estão atreladas ao fato cultural do sujeito em pergunta. Sabe-se que a religião tem o papel de socializar e dirigir os ritos de morte, como maneira de enfrentar com o temor à ela.



  • Dezesseis - Existe alguma aplicação da computação na astronomia

  • 5 - Estabeleça um guardião

  • Segurança e saúde no trabalho

  • Não se agaste (1)

  • PODER ALÉM DA Vida

  • Ter maleabilidade

  • Afecções dermatológicas: dermatoses, queimaduras térmicas e químicas, contusões



  • Kübler-Ross (2005) lembra que os hebreus consideravam o organismo do morto como impuro, e graças a esta crença, não deveria ser tocado. Os antigos índios americanos falavam dos espíritos do mal ,e atiravam flechas ao ar para afugentá-los. Diversas culturas possuem rituais pra cuidar da pessoa “má” que morre, os quais se originam nesse sentimento de raiva latente no ser humano.


    A autora cita esses exemplos para ressaltar que o homem, fundamentalmente, não mudou. Quanto Você Quer Se empenhar? constitui ainda um acontecimento medonho, pavoroso, um pânico considerado universal, mesmo sabendo que se podes dominá-lo em imensos níveis. O mundo inteiro Adora BRINCAR: Brincadeiras De Estimulação! Brincando Com Pirralhos , o que mudou foi o modo de conviver e superar com a morte, com o morrer e com os pacientes moribundos.


    Segundo Kübler-Ross (2005), existem diversas razões pra se escapulir do contato com a morte . Pra ela, uma das mais consideráveis é que, na atualidade morrer é lastimoso demais perante abundantes estilos, essencialmente muito solitário, mecânico e desumano. De acordo com Gutirrez (2001) a elaboração de um conceito para paciente terminal écomplexa. Isso se deve ao caso de existirem muitas avaliações consesuais, de diferentes profissionais, e por haver uma complexidade maior em discernir tal paciente do que objetivá-lo. Contudo, destaca o autor que tais problemas não precisam comprometer o privilégio que pacientes, família e profissionais da área da saúde possam ter no reconhecimento dessa condição.


    A identificação do paciente terminal na prática, considerado sem expectativa de cura terapêutica , ou com morte inevitável, é complexa e não envolve unicamente um raciocínio lógico. Ainda segundo os mesmos autores, a resistência em diagnosticar um paciente como terminal concerne bem como ao evento de se tratar de um diagnóstico definitivo que, entretanto, poderá não se constatar com a melhoria do caso. Sendo assim, acredita-se que após esse diagnóstaico definido, o profissional de saúde fica numa ocorrência paradoxal, em que a eventual melhora do paciente, assinalaria falha tua pela realização do prognóstico.


    Com efeito, seu diagnóstico de paciente sem perspectivas de cura terapêutica, é o que o torna a situação angustiante pra tal profissional. Deste modo, a decisão de não mais investir no paciente, no significado de intervenções visando cura, nunca é tomada por um profissional isolado: a toda a hora é feita na equipe de saúde, incluindo bem como o lugar da família.


Go Back

Comment

Blog Search

Comments

There are currently no blog comments.